terça-feira, outubro 09, 2007

Teatro de rir



Mais uma vez o humor sobe ao palco na Prova Oral e agora para falarmos da 13ª (olhem que sorte) edição do Festival Internacional de Teatro Cómico da Maia , que começou a 5 deste mês e se prolongará até dia 14, no Fórum Maia. Aí estarão representadas todas as vertentes do teatro cómico (que a comédia não são só anedotas), «desde o teatro de rua, a mímica, a animação, stand-up comedy, musical, o novo circo, marionetas e fantoches, café-teatro, clown. Numa iniciativa da Câmara Municipal da Maia com direcção artística, técnica e produção do Teatro Art' Imagem. Este é o único festival de teatro exclusivamente dedicado à comédia que se realiza em Portugal.»

O director do festival, José Leitão, será o nosso convidado. Iremos ficar a saber não só mais detalhes sobre o programa, mas também como tem evoluído o festival ao longo destas edições todas, se o boom, mais ou menos recente, do humor televisivo, com o aparecimento e mediatização de alguns artistas de stand-up e afins, se fez notar nos públicos: cresceu o interesse pelo teatro cómico?, ou acabou por ir muita gente ao engano, quando confrontados com um tipo de humor que nem sempre tem a ver com aquele que se conhece do pequeno ecrã?

Quanto a vocês, digam-nos do humor que mais vos atrai – estilos, autores, grupos, etc. –, se são exigentes, se se preocupam em procurar coisas novas, ou uma boa anedota e um par de trocadilhos fazem-vos felizes para o resto do dia? O telefone é o 800 25 33 33 e têm à disposição a caixa de mensagens do blogue. Como o programa é às 19 e o trânsito a essa hora nas cidades não é flor que se cheire, aproveitem para fazer rir a malta (é o que faz falta). Contem-nos, por exemplo, a anedota ou trocadilho mais sem graça que alguma vez ouviram: daquelas coisas que por serem tão insípidas tão insípidas, acabam por ter piada. Ou um episódio insólito que vos tenha acontecido. Ou o relato de um espalho de bicicleta. Ou imitem uma figura pública, desde que não seja o José Hermano Saraiva, o General Ramalho Eanes ou o Alberto João Jardim – porque essas imitações já estão mais batidas que sei lá o quê.

A partir das 19, com Fernando Alvim.

20 comentários:

Anónimo disse...

É excelente fazerem referência ao teatro. saibam qual é a diferença entre actores de teatro e gajos(as) que apareçem na televisão e depois enchem uma sala de espectáculos.....

angelodias disse...

Ontem fui a um bar da moda ver se te esquecia...
Rapariga linda ao meio dia...Preparação para meter conversa e iniciar tentativa de acasalamento:

- Olá boneca? por aqui? tens uns olhinhos tão bonitos que te fazia toda esta noite.

-Olá! Se calhar não devias estar a falar comigo...Tenho hepatite B...

Claro que não falei mais com ela. Detesto gajas que na primeira conversa se põem logo a armar com o que têm...Ai tenho isto e aquilo...E a personalidade e o interior ja nao contam? Que mundo é este onde os valores materiais se sobrepõem a tudo?

é deste humor que eu gosto Alvim...Grande abraço

Gladeador disse...

Olá Alvim! Boas!!!

Eu adoro teatro tento acompanhar sempre que posso. Agora quero ir ver os sketches do Monty Pitton versao do nosso Markl.

Sabem o que acabei de descobrir?? que a jeitossa da Jamaica também é artista ora vejam se a miúda nao é http://www.davincigallery.net/arte/artistPage.do?tab=artist&subtab=artist.list&username=mjamaica

têm dfe fazer um programa sobre isto.
Xauzão

Anónimo disse...

Das piadas mais sonsas que conheço é esta:

Sabem como se chama um boomerang que não retorna?

É um pau.


Rita.

Anónimo disse...

Olá Pessoal,

Eu acho que a nossa vivência no dia a dia é por si so um teatro cómico...
Todos os dias entram pela nossa casa noticias que são um autentica anedota:
É como esta ultima do Sargento que foi louvado no Diario da republica e ainda chamaram o senhor de Corno vem escrito no DR "pela forma zelosa e competente corno, desde há três anos, desempenha funções" e até sabem que é corno à 3 anos:)

Gil

Anónimo disse...

Fui ver o Cabaret Molotov, do Teatro de Marionetas do Porto, aí no Festival da Maia, e adorei. Acho que vão andar pelo país, por isso aconselho vivamente.

Ricardo

Pedro Frias disse...

Eu sei imitar o pato Donaldo a vir-se.

Miguel Ângelo disse...

Eu sou daqueles espectadores de teatro tímidos, que gostam de ficar numa fila do meio, bem escondidos, com gente atrás e à frente, e que morrem de medo quando o espectáculo descamba para uma cena interactiva e os actores descem à plateia e começam a meter-se com as pessoas.

Pá, aí, borro-me todo.

Anónimo disse...

Será que hoje é mais difícil fazer o público rir, que há sessenta anos atrás? Parece que nessa época, um bom prato de bolo com creme empastado na cara do vizinho ou um pontapé no cu do mesmo senhor, eram o suficiente para a casa vir abaixo.

Sandra

Anónimo disse...

Do teatro de humor, só não gosto muito da revista à portuguesa. Irrita-me ver os actores aos berros. Parece que a piada só tem piada, se for berrada.

Janita

Anónimo disse...

http://www.oporquedascoixas.blogspot.com

ISA disse...

Gosto de ironia para fazer uma piada pois por vezes é preciso ser-se um pouco inteligente para a perceber, não atinge todos e depois gosto de ver a cara de palermas dos menos inteligentes porque não perceberam mas tentam disfarçar e sorriem, um sorriso tolo que espelha que realmente não entenderam nada. Detesto a piada fácil tipo malucos do riso, só dá vontade de partir a tv. O pior é que é contagiante porque vemos um sketch mas temos que ver outro para percebermos até onde vai a parvoice de quem escreve e com a esperança que o próximo seja ligeiramente melhor, mas não é. Depois temos o humor britanico que também gosto imenso. A nivel de séries de humor eles são do melhor. E claro o Herman também faz parte das minhas preferências no que respeita a séries de humor mas o Hora H estava um pouco fraquinho, ele consegue fazer melhor.

Rui Cubano disse...

Mário Viegas, Mário Viegas... aquele humor inteligente que não precisava de ser espalhafatoso... felizmente já existe mais público Português esclarecido que exige ser levado a sério... para se rir.
"stand up" em Portugal é demasiado dócil e preocupado, por exemplo, os Presidentes em exercício são poupados quando estão, muitas vezes, a pedir para serem gozados. Então ao nível de Religião, cultura e símbolos Portugueses o decoro é irritante.

sos disse...

boa noite,


estou a seguir atentamente a conversa e gostaria de saber o porquê do tochas ainda não ter ido a esse festival.

sos disse...

boa noite,


estou a seguir atentamente a conversa e gostaria de saber o porquê do tochas ainda não ter ido a esse festival.

Anónimo disse...

Olá a todos! Já agora também ao convidado...

Espalho de bicicleta: aposto que nunca nenhum de vocês caiu de bicicleta em cima de milho espalhado numa eira. Eu espatifei parte da bicicleta do meu pai, quando tinha para aí uns onze anos, ao descobrir que fazer piões e derrapagens em cima de grãos de milho redondinhos estendidos numa eira de granito inclinada, não só era fácil como muito divertido... das dores da queda não melembro... mas lembro-me do raspanete do dono da bicicleta...

Anónimo disse...

Sabem o que � uma varina m�gica? � uma bruxa esposa de pescador...

migazo disse...

ALvim, o espectaculo que viste era o XXX?

Eu estive nesse e foi fixe, afinal o espectador foi fazer o AMOR no palco.
Eu estava nas galerias por isso safei-me ;)

javiejasoube disse...

Eu ainda sou do tempo de ver o Tochas de graça como "Palhaço Tochas" no jardim da A.A.C. e tb de pagar apenas 500 escudos para o ver em stand up. Muito bom. Muito bom mesmo, de rir até doer a barriga.

Rui Cubano disse...

piu...