quinta-feira, outubro 18, 2007

Ao Volante do Poder



Pedro Faria emigrou para Nova Iorque há mais de trinta anos – na altura, para fugir à tropa – e é hoje dono de uma empresa de limusinas. Durante esse tempo todo conduziu um ror de ilustres portugueses que, por um motivo ou outro, estavam em trânsito por aquelas bandas: Mário Soares, Amália Rodrigues, Jorge Sampaio, Eusébio, Fernando Nogueira (quando era Ministro da Defesa), foram só alguns dos nomes que lhe passaram pelo banco de trás (nada de interpretações abusivas, olhem o respeitinho); e no seu livro Ao Volante do Poder (edição Bertrand), escrito em parceria com Nuno Ferreira, conta as histórias a que, inevitavelmente, assistiu pelo retrovisor ou soube através de conversas informais com os seus sui generis passageiros. Só para dar um exemplo Pedro Faria foi o primeiro a saber, em 1999, pelo então Ministro dos Negócios Estrangeiros, Jaime Gama, que Timor-leste era finalmente independente, após ter conduzido este de um almoço onde esteve com o Secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e o seu homólogo indonésio, Ali Alatas.

Pedro Faria e Nuno Ferreira irão hoje dar uma voltinha connosco, avenida da Prova Oral afora, e levantar um pouco o véu de todas essas histórias, umas com agá grande, outras agá pequeno, que fazem o volume «Ao Volante do Poder»: curiosidades, episódios marcantes, excentricidades, azares – nunca furou um pneu em serviço? –; e desta gente toda, quais os mais faladores?, os mais simpáticos?, os nem sim nem não?; e algum ilustre alguma vez se esqueceu de um saquinho de tremoços no banco de trás?, ou uma queijadinha de Sintra?, um garrafão de tinto carrascão lá da terra, para apaziguar as saudades?, um galo de Barcelos?

Rádio ligado e vidros abertos, enquanto o Outono ainda deixa: aí iremos nós (a limusina é grande e cabemos todos, não se acanhem, venham, venham – perguntas e comentários para o 800 25 33 33 e caixa de mensagens do blogue), a partir das 19 com Fernando Alvim e Rita Amado. Bip bip.

21 comentários:

Anónimo disse...

Pergunta ao Xô Pedro: essas personalidades cumprimentavam-no assim que entravam no carro? Do tipo "Olá bom dia" ou "O amigo está bom?"

Anónimo disse...

srá possivel convidar a rita amado para uma voltinha numa das suas limusinas, é a pergunta que deixo!
beijos e abraços, Francisco

Jim disse...

Boa tarde

Á pois é bebe eu ja estive em NY e deixem k vos diga

Ao sair do aeroporto ( NEWARK )fiquei de boca aberta com as limusinas k até entao só tinha visto em filmes mesmo ali á minha frente.

Entrei num carro normal e sai do aeroporto
Pelo caminho era limusinas á esquerda , limusinas á direita, por todo o lado em todo o lado.

Paramos o carro para comer num restaurante e no parque de estacionamento, o k ? Sim senhor mais limusinas
Já se estava a tornar uma banalidade. Era como ver Peugeots 206 em Lisboa

Ao chegar a casa dos meus familiares ( NEWARK )o cumulo.
O vizinho era condutor de limusinas e no drive way da casa uma limusina.

Confesso k 2 semanas depois , para mim limusinas já nao me diziam nada

Pena foi ainda não ter andado ou conduzido nenhuma

Abraço e beijo grande para a Rita

Anónimo disse...

Olá Alvim, Rita e convidados

ainda ontem li um artigo na revista sábado, sobre o Pedro Faria e seu livro e hoje aí está ele neste grande programa :)

Uma pergunta, no artigo li que algumas das pessoas referidas no livro, não confirmam os episódios, chegando pelo menos 1 delas (não me lembro do nome, mas vem no artigo)a desmentir. Peço ao convidado para comentar ... já teve muitas reacções deste género?!

Obrigado,

bjs

Sandra

Anónimo disse...

Olá coyotes da 3! (bip bip) lol

Uma pergunta para o convidado:
Dos diversos passageiros que transportou quem lhe marcou mais pela positiva?

Abraços um pikeno bip bip

edu disse...

Ola..

Negócio de limusines :) ora aí está uma belissima ideia :)

Duas perguntas bastante pertinentes ao Pedro e que me deixam muito curioso... Como emigrante que é ou que foi, e sendo ele condutor:
1) Qual era a K7 que ele trazia no carro??? Agrupamento Maria Albertina e as suas concertinas???

2) O tercinho pendurado no espelho retrovisor estava presente????

Cumprimentos.

Edu :)
http://bitaitadas.blogspot.com

Cristiano Dias disse...

olá!!

Uma pergunta simples e directa para o convidado de hj: qual foi aquela pessoa que tanto ansiava por transportar e que durante a viagem a desiludiu em qualquer aspecto?

Agora para o Alvim... diz la qual a personalidade feminina que gostavas de transportar? ate deixavas agarrar no volante...ai nao!

Abreijos pessoal!=)

Alexander Khasinau disse...

É pena que metade (para ser simpático...) das histórias do livro sejam adulteradas ou até mesmo ficcionadas...

Quando os próprios envolvidos as desmentem/contradizem... palavras para quê?

Pena é que haja (e cada vez mais) editoras dispostas a publicar isto...

Numa palavra BULLSHIT.

Pedro - Viseu disse...

Boas Alvim, Rita, Pedro e Nuno,

Gostava de perguntar ao Pedro quem o impressionou mais pela quantidade absurda de bagagem que transportava?

Abraço,

Pedro.

Rui Cubano disse...

O Xanana do nosso coração, sair da prisão na Indonésia, voar todo cebento até NY, vestir um fato emprestado de alguém alimentado em liberdade e que lhe ficava como a puto que rouba a roupa ao pai... é simplesmente delicioso!
Os políticos largam-se lá atrás? e riem-se?

Anónimo disse...

E o pessoal do handling do aeroporto que usa colete para circular na placa...

Anónimo disse...

Olá

Em relação à questão do Dr. o que eu aprendi foi que os licenciados eram Dr. Fulano e os que faziam doutoramentos eram Doutor Fulano. Contava-se até a história de um professor da univ que corrigiu o seu título num trabalho que lhe foi entregue (estava Dr e ele emendou para Doutor)

Eu escrevo um artigo para o jornal local, não me sinto confortável a por Dra... eu sou o que sou, mas acho que tinha alguma vaidade se tivesse um doutoramento!

Anónimo disse...

Alvim, posso pedir p.f. para me responderes ao e-mail que enviei ontem para ti e para a prova oral? Acerca das fotos e das duas "Raquel Fernandes"!...


Muito obrigada*

Raquel Fernandes

Raposo disse...

Olá a todos
Peço desculpa por contradizer o convidado, mas os EUA não é um país de imagem tão doce e perfeita como tenho ouvido no programa. Não sou disciplo do Michael Moore, mas tenho a ideia de que muito do que ele diz coloca em questão a imagem perfeita que o Pedro parece ter da terra do tio sam. E o que dizer do desemprego galobante do último ano? O Bush não tem falta de popularidade apenas por ser o asno que é. Muita da sua impopularidade deriva também de estar à frente de uma país em crise.
Cumprimentos virtuais

netwalker disse...

A moda em Londres sao os Hummers limusine... hehehe! paises civilizados...

Carmen Electra disse...

ò Alvim onde é que estão disponieis as fotos dos concorrentes do gato fedorento?
Casa-te comigo!!!!!!!!!
É o Maior grande e grosso!!!!!!!!!!!

Ao volante do poder disse...

A resposta para a maioria das vossas perguntas vem no livro.

Anónimo disse...

Concordo totalmente com o Senhor Alexander Khasinau quando escreve: "Pena é que haja (e cada vez mais) editoras dispostas a publicar isto...".
Hoje em dia qualquer pessoa pode escrever um livro e quanto "mais reles" for o conteúdo, melhor, mais se venda. Isso é o que as editoras pretendem.

Anónimo disse...

Pedro Faria diz que prima pela descrição. Me desculpe mas não é o que está parecendo com a publicação deste livro. E não quer que o vejam como um delator? Essa é interessante...
Razão tem um jornalista português do Luso-Americano quando escreveu, e passo a citar: "...ter ficado espantadíssimo quando soube que ele ia escrever um livro, sempre pensei que ele fosse obedecer à máxima what happens in Vegas, stays in Vegas...".
Possivelmente estavam pensando que esse livro iria mexer mais com as pessoas que menciona e que seria sensacionalista e até mesmo um sucesso.
O povo não tá nem aí preocupado com esses negócios. Quer é ter o seu dia-a-dia bem tranquilo, com algum futebol, se possível e seu salário no final do mês.

Miguel S. disse...

Encontram-se alguns erros ortográficos neste livro; lamentável!
Omissões, muitas. E algumas informações que deverão ser esclarecidas por respeito a quem/de quem se fala.
Pedro Faria tem na realidade 4 filhos. Um casal, do primeiro casamento. Um filho do segundo casamento. Um quarto filho que nascei de uma relação extra-conjugal durante o seu segundo casamento. Quanto a netos, tem um casalinho da filha do primeiro casamento.
Há relatos que devem ser explícitos e correctos.
Grato pelo espaço que me proporcionaram para este esclarecimento que não deveria deixar passar por consideração a uma pessoa que muito estimo e aprecio.

Manuel disse...

Porque resolveu este senhor fazer este livro agora? Se não estava de acordo, porque conviveu com eles? Porque os conduziu durante tantos anos? Conduziu-os sem cobrar os serviços?
Qual a diferença de um motorista de limusines, de táxis, de autocarros,...? São pagos para fazerem um trabalho e mais nada. E a mesma profissão requer uma ética profissional idêntica. Só porque um veste melhor que os outros (e tem um pagamento bastante diferente) tem direitos diferentes?