terça-feira, junho 26, 2007

Mulheres ao volante



Então aqui vai o perfil da nossa convidada de hoje:

Durante vários anos Elisabete Jacinto desafiou o universo masculino, competindo em moto, nas mais difíceis competições de todo-o-terreno, disputadas em diversos continentes. Todavia, para esta professora de Geografia, que apenas aos 24 anos de idade aprendeu a pilotar uma máquina de duas rodas, e apenas com o intuito de dela se servir para o dia-a-dia, o maior desafio foi sempre consigo própria, acreditando que a vontade e tenacidade superam todas as barreiras.

E foi sob esse lema que, passando por cima de todas as dificuldades, não só se atreveu a ser a primeira portuguesa a enfrentar o mítico Paris Dakar em moto, acrescentando-lhe a proeza de concluir a prova, mas, mais do que isso, conseguindo triunfar entre as Senhoras, contra adversárias, senhoras de um enorme palmarés e integradas em equipas profissionais.

Às motos, sucederam-se os carros e o retomar das vitórias internacionais entre as Senhoras, obtendo o triunfo no recente Master Rali, competição disputada entre S. Petersburgo e o Mar Negro, nas pistas da Rússia Imperial.

Mas os grandes desafios continuam a encontrar eco na tenacidade, internacionalmente reconhecida de Elisabete Jacinto e, três meses depois de ter obtido a carta de condução de pesados, apresentou-se à partida, para a edição das bodas de prata do Dakar, instalada aos comandos de um Camião, uma tipo de máquina, que encontra na prova africana uma magnífico espaço para competição, mas que, por apenas duas vezes, atraiu candidatas do sexo feminino.

É em 2004 que Elisabete não só se torna numa das primeiras mulheres do Mundo a concluir o rali Paris Dakar conduzindo um camião como se transforma na primeira mulher a ganhar uma especial nesta categoria no Rallye Optic Tunisie 2000.


Como é o dia-a-dia de uma competição como o «Lisboa Dakar»?; o Trifene 200 adianta alguma coisa no meio do deserto?; isso de conduzir o camião aos solavancos, por dunas e mais dunas, não aumenta as probabilidades de partir uma unha? (pergunta um gajo muito macho e armado em engraçadinho); pilotar camiões sem usar bigode nem uma tatuagem no braço direito a dizer «Angola 71», não tira um pouco da credibilidade? (pergunta outra vez o gajo muito macho e engraçadinho); e a MAN, por delicadeza, não podia ter baptizado o camião, exepcionalmente de WOMAN? (o gajo muito macho e engraçadinho retira-se entretanto, que está na hora da bola na tasca do Augusto – e há muita mini para beber e tremoço para debicar).

Mas vocês fiquei por aqui: perguntem e comentem, via 800 25 33 33 e caixa de comentários do blogue. A partir das 19, com Fernando Alvim e Xana Alves.

PS: só para que não se esqueçam de que sexta-feira é dia de fuga:



Mais logo, num próximo post, deixaremos aqui o plano completo da fuga e como podem fazer para fugir connosco.

18 comentários:

rocks pot disse...

bom dia fernando,
venho por este meio solicitar , a divulgação do iv rocks pot da bajouca.
parte das receitas é a favor das crianças especiais da APPC de leiria, como a entrada é livre, vamos necessitar de muito publico para angariar receitas através das bebidas, do porco no espeto, borrego á bajouquence, entre outros. o nosso site é www.rocks-pot.com.
um abraço

J.Dias @ Bucareste disse...

Buna seara, ce facem?

Não! Hoje não vos deixo nenhum testemunho sobre as valências pulmonais das moçoilas romenas, mas antes da arte e ciência de conduzir na muito circense Bucareste, senão vejamos:

1) PASSEIOS: Infra-estrutura destinada ao estacionamento de viaturas com e sem motor (sem motor, entenda-se carroça.... de tracção animal) os veículos com motor são conduzidos por verdadeiros animais;

2) SEMÁFOROS: Entidades luminosas de mera decoração de uma cidade cinzentona, ou seja, se virem um sinal verde numa qualquer passadeira, não atravessem à confiança.

3) POLÍCIAS-SINALEIROS: Bem, são mais que as mães, mas não servem de nada...a não ser a de criar confusão) pois quando está vermelho, os artistas circenses (para não lhes chamar palhaços) mandam avançar, quando está verde, mandam parar! Gosto cego para contradição dos semáforos;

4) 50 RON (1 EUR = 3,2 RON): Quantia exigida para os artistas circenses fecharem os olhos a qualquer infracção;

5) GAJAS: Objectos de decoração nos passeios propícios a criar confusão no trânsito (o tão afamado DAR POR TRÁS) especialmente nestas últimas semanas, dada a onda de calor neste país... atributos pulmonais;

6) BUZINAS: Instrumento de condução mais apreciado pelos automobilistas desta terra (os carroceiros não a utilizam, porque ainda não foi disponibilizada para esta gama de veículos, pelo que soltam constantes PULA MEA! PULA MEA! Que traduzido à letra significa “VAI PÓ CAR%&$&!!!!);

7) TUGAS A VIVER NO GRANDE CIRCO DE BUCARESTE: Seres estranhos que teimam em cumprir as boas práticas de circulação pedestre, que se riem das atrocidades cometidas ao volante pelos denominados LOCALS;

CONCLUSÃO) 1000 vezes conduzir nas estradas portuguesas... ainda que com muitas mulheres ao volante.

Abraço desde Bucareste,

PS: Alvim, quando disponibilizas um número do tipo +351 21 ......

Anónimo disse...

Um á parte:
Há um unico pais no mundo em que segundo o código de estrada o verde é para parar e o vermelho para avançar.

Miguel Angelo disse...

Ola Alvim e todo o auditorio da 3, quero dar os Parabens a uma grande mulher como a Elisabete Jacinto, porque mulheres como ela ha poucas. Gostava de perguntar como é que se sente ao conduzir um camiao no Lisboa-Dakar ? Grande abraço pra todos.

Deolinda Santos disse...

Agora o preconceito é pela igualdade, mas o preconceito é sempre preconceito e está sempre errado, por isso vamos aos factos:
-As Mulheres conseguem prever melhor as atitudes de terceiros, planejar e coordenar diferentes tarefas, melhor visão periférica e melhor visão nocturna e há nelas uma velocidade incrivel a dizer palavrões que deixariam um taberneiro envergonhado (OK esta ultima não é tão cientifica assim, mas é obvia...).
-Os homens tem muito maiores capacidades de coordenação motora e motora-pensamento, maior adaptabilidade nos planos, maior capacidade fisica e resistencia ao desgaste fisico e mental e maior inteligéncia tecnica (chamemos assim á capacidade de usar maquinas e ferramentas.

Isabel disse...

Demorei um certo tempo a tirar a carta com medo de não ser capaz. Finalmente tirei. tenho carta há 10 anos e tenho 39.
considero-me uma boa condutora. e digo que há de tudo....mulheres que não deviam andar na estrada e homens também.....adoro quando eles não gostam de ser deixados para trás....ficam mesmo chateados...e confesso que me dá um gozo enorme deixá-los para tras. mas não ando no picanço...apenas quando acontece...Já elas também se picam.....mulher com mulher é engraçado...quando são duas boas condutoras....enfim...o meu namorado diz que eu sou uma fugareirazinha.....hoje em dia tenho mais cuidado nas respostas e insultos....porque sabemos lá o que está do outro lado. malucos há muitos....beijinhos pra voces e adoro a prova oral.
gostava de ir á vossa festa secreta....
isabel

Anónimo disse...

Quero dar os Parabéns à Elisabete por tudo o que tem feito no Dakar.
Esperemos que não daqui a uns dias ouçamos Carlos Sousa e Elisabete Jacinto Vencem DAKAR (carros e camiõs).

Pergunta: Achas que uma equipa Não Oficial é capaz de Vencer o Dakar? Ou o poderio (economio e não só) de uma marca ainda conta muito?

Beijinhos e Abraços a quem é devido

Gil

Anónimo disse...

Quero dar os Parabéns à Elisabete por tudo o que tem feito no Dakar.
Esperemos que daqui a uns dias ouçamos "Carlos Sousa e Elisabete Jacinto Vencem DAKAR" (carros e camiõs).

Pergunta: Achas que uma equipa Não Oficial é capaz de Vencer o Dakar? Ou o poderio (economio e não só) de uma marca ainda conta muito?

Beijinhos e Abraços a quem é devido

Gil

Anani disse...

Ahahah
Depois de ler os posts de enfiada, apetece perguntar à Elisabete Jacinto se foi ao Salão Erótico e o que pensa do swing :-D
Estou a brincar, claro, e não tenho questões :-D

kikasonline.blog.com disse...

Isto serve so pa ferir o sentimento machista e pa agradecer a esta grande mulher por fazer tão boa representação feminina. Já agora aproveito para perguntar qual foi o apoio que teve, familiares/ amigos, se sentiu alguma rejeição na prova por o facto de ser mulher...

Uma big beijoca pa ela e ja agora pa todas as mulheres que se encontram a colabrar e a ouvir esta emissão.

Joao disse...

Que existem mulheres "BôAS" ao volante lá isso Há, e muitas!!!!!
Mas quando lhes pedimos para virarem a direita ou a esquerda, é ve-las a fazerem contas de cabeça.........DE resto tanto ha maus condutores como condutoras.
Já agora o que pensa a vossa convidada sobre o assunto.
bjs e abraços.

Berdades disse...

Hoje em dia quase já nada surpreende! E para quem já viu um porco andar de mota, quanto mais uma senhora a conduzir um camião. De todo o modo, só pela coragem de competir com "tal bicho" os meus parabèns à Elisabete Jacinto. Uma simples peregunta que gostava de ouvi-la responder:
Qual a frase (tipo camionista brasileiro)que colocaria no para-choques do camião?
Cumprimentos "insulares" a todos, desde a Pérola do Atlantico.

catarina disse...

Olá =)
Quero dar os Parabéns a Elisabete pelo que tem feito e conseguido. Assim se vê que ainda há Grandes mulheres, com uma força de vontade enorme =)

Um beijinho
catarina

Sigre disse...

Boa tarde as condutoras!

Desde já Digo que até hoje não vi uma condutora tão boa como a minha mãe... Ela sim devia fazer o Lisboa-Dakar!
De resto sigo o proverbio:

"Mulheres ao volante Perigo Constante!"

Não pretendo entrar em contra censo, mas desde já admito a minha admiração pela Elisabete Jacinto pelo esforço de uma prova como o Dakar, se bem que lá não existe código da estrada!!! hehe

Cumprimentos a Todos.

Ass. Tiago Sigre

Marlene disse...

Quando uma mulher ganhar o campeonato mundial de formula 1, é hora de os homens se sentarem para reflectir.

Pereira disse...

Boa tarde a todos,
gostava que perguntassem à Elisabete o que se passou este ano com o Bernardo Vilar.

Akele abraço,

Anónimo disse...

Olá Boa Tarde:
Eu sou a favor da igualdade, mas estou desiludido com a condução das mulheres, pois em vez de a fazerem pela diferença, aprofundam o mau comportamento e falta de civismo.
Ando há muitoa anos na estrada e tenho reparado que:

- as mulheres quase não dão a vez
para entrarmos numa fila
- são capazes de ficar no meio de um cruzamento nem que o entupam
- raramente param numa passadeira
- raramente agradecem se lhes damos a vez

porquê porquê ????

gostaria de saber a opinião da vossa convidada Elisabete Jacinto..

Abraço
Vieira - Porto

João Pratas disse...

Elisabete..... "A gente dá a traseira!!!".... óh minha gente!!! por amor de deus!!! fhummm