quinta-feira, janeiro 17, 2008

Amores desafinados



Começa assim o magnífico romance de Gabriel García Márquez, O Amor nos Tempos da Cólera: «Era inevitável: o cheiro das amêndoas amargas recordava-lhe sempre o destino dos amores contrariados». Este cheiro de amêndoas amargas refere-se ao cianeto defumado que, pelos vistos, naquelas paragens, era usual nos suicídios por amor (ou falta dele).

Não é preciso irmos tão longe, pronto, nem tanto ao mar nem tanto à terra; mas porque raio, porque carga de água, com o patrocínio de que santíssima entidade nos apaixonamos nós, volta e meia, coisa e tal, mais vezes que o desejado pela pessoa errada?, hum?

Foi sobre isso mesmo que a nossa convidada de hoje, a psicóloga clínica Ana Cardoso Oliveira se debruçou no seu mais recente livro Porque nos Apaixonamos pelas Pessoas Erradas? (a edição é da Gradiva).

Segundo a opinião de uma outra psicóloga, Maria João Fagundes, «neste livro, partindo de um mote tantas vezes escutado em contexto terapêutico, "porque me apaixono pelas pessoas erradas" somos desafiados a percorrer o caminho do desenvolvimento infantil à idade adulta pois é neste percurso que encontramos as respostas, quando as perguntas, certeiras, são feitas. Ao longo dos capítulos temos a liberdade de nos ir identificando com a criança ou com o adulto, com este medo ou com aquela ousadia. Somos pois diferentes personagens, diferentes actores em diferentes papéis. Tal como na vida. Numa linguagem acessível mas tecnicamente correcta, sem a necessidade do jargão psicológico, o Porque nos apaixonamos pelas pessoas erradas? será um bom instrumento de trabalho para técnicos de saúde mental, ou seres humanos confusos. Ou seja, para todos e qualquer um de nós».

Ok, caros «seres humanos confusos», todos vós, connosco incluídos, que disto das paixões modalidade tiro-ao-lado só se livram os frigoríficos, as arcas congeladoras e as máquinas de lavar roupa (se bem que já tive uma que chorou baba, ranho, detergente concentrado e solução anti-calcária por um ferro de engomar que ostensivamente a desdenhou): via 800 25 33 33 e caixa de mensagens do blogue, elaborem teorias sobre a questão em causa (se acham que é uma inevitabilidade, se o mapa catastrófico da azelhice amorosa é coisa traçada logo em tenra idade e de cujo itinerário torto não nos livramos), partilhem connosco a vossa sina de desamados – ou façam-nos inveja, contradizendo-a com o exemplo de um amor feliz. A partir das 19, com Fernando Alvim e Rita Amado (um apelido muito a propósito para o tema de hoje).

35 comentários:

Isabel disse...

Olá.
Muito havia a dizer do porquê as pessoas erradas. Será genética...hábitos que fomos conhecendo e adquirindo...auto estima....etc...eu tenho personalidade forte mas nos amores já sofri muito por ter a necessidade ou a queda para alguem não de personalidade, mas de "voz" mais forte que eu. Os "chamados feios porcos e maus" com estilo diga-se de passagem!!!e sofri. Sofri muito. maltratada etc. A minha tendencia sempre mulherengos. Até que, hoje em dia dei me a oportunidade de me envolver com alguém completamente diferente do "meu antigo ideal". Tenho um relacionamento já há 2 anos com um homem sensivel, nada feio porco e mau....sem ar de pintas, completamente Betaço. E damos-nos lindamente. Apesar de por vezes sentir a falta da adrenalina das "discussões" ou do ar de macho latino se é que me entendem....eh eh eh eh
Por vezes penso, que bem que me sabe uma relação sem um gajo a dar me cabo da cabeça, com discussões, gritos, ciumes, etc. Tudo por que me dei liberdade de experimentar alguem fora do meu estereotipo.... beijos
ALVIM...TAMBÉM PODERIAS SER UM POUCO O MEU TIPO....EH EH EH E

mary disse...

Tema extremamente "delicioso" este…é verdade...todos nos pelos menos uma vez na vida já nos apaixonámos pelas pessoas erradas enquanto podemos ser felizes ao lado da pessoa certa mas infelizmente não estamos apaixonados. Temos a tendência estranha de gostar normalmente de quem não gosta de nos, nos despreza e só se quer aproveitar do sentimento cego que sentimos por ela...se calhar não é propositadamente mas a verdade é que sofremos e por mais vezes que aconteça poucas vezes aprendemos com isso...porque nisto dos sentimentos nada é racional e susceptível de controlo...

Alvim queria pedir-te se podes dar mais informaçao acerca do Clubbing...Ainda não percebi muito bem as vantagens e como funciona!!

bjos para os dois=)

mary

Tuny disse...

boas alvim isso de no meu ponto de vista ñ existe pk mesmo k essa ñ seja a pessoa certa para nos aprendemos é com os erros e podemos sempre tirar alguma "aprendizagem" dessas relações e sabedoria ñ pesa hehe

lady.bug disse...

só gosto de ti
porquê?
não sei!

mas 'tou bem assim
e tu também!

(o problema é qdo NAO estamos bem assim!)

humpf!

Consuelo disse...

Viva Proval Oral!

Ora aqui transcrevo um texto que melhor traduz a minha opinião:

"Sem fé, ouso pensar a vida como uma errância absurda a caminho da morte, certa. Não me coube em herança qualquer deus, nem ponto fixo obre a terra de onde algum pudesse ver-me. Tão pouco me legaram o disfarçado furor do céptico, a astúcia do racionalista ou a ardente candura do ateu. Não ouso por isso acusar os que só acreditam naquilo que duvido, nem os que fazem o culto da própria dúvida, como se não estivesse, também esta, rodeada de trevas. Seria eu, também, o acusado, pois de uma coisa estou certo: o ser humano tem uma necessidade de consolo impossível de satisfazer."

in A Nossa Necessidade de Consolo é Impossível de Satisfazer, Stig Dagerman

Talvez seja por isto, que nos apaixonamos pelas pessoas certas ou erradas.
Desculpem o post longo....

Vitor disse...

O amor para ser Amor deve ser infinitamente infeliz. Um amor feliz é uma coisa pequenina, tísica e o melhor que lhe pode acontecer é ficar para sempre gravado num pedaço de película de um filme romântico com um carimbo "the end" em cima. Ninguém liga a amores felizes. Não têm sumo, não vivem mais de que as personagens que o viveram e estão (felizmente acrescento eu) condenados a ficar esborrachados na prateleira dos esquecidos.

Ao invés, os Amores maiores são infelizes e sobrevivem. São fortes, duradouros, e todos nós nos recordamos deles! Veja-se o Caso de Romeu e Julieta. Se eles ficassem juntos alguém se lembraria que em Veneza há uns tempos atrás, alguém andou a fazer marotices contra a opinião das famílias?
Eu se quisesse ter um amor, queria que ele fosse grande e inesquecivel, logo inevitavelmente infeliz para ser recordado.

Maryana disse...

Isso que acontece relativamente às relações, tb acontece com mtas outras coisas. Pq é que há padrões que se repetem?Por exemplo, em termos de trabalho, quer nos estudos, quer a nivel profissional, calha-me sempre trabalhar com o pior irresponsável, o maior cromo, anormal, esquisito, o que provoca em mim sentimentos de frustração e leva-me a repetir vezes sem conta a frase "porquê euuuuu???"

E mais: isto acontece pq, até sou eu q vou ter com eles... Face a um grupo de pessoas desconhecidas, eu sento-me sp ao lado desse cromo/a, que mais tarde fará parte do meu grupo de trabalho... A sério, ajudem-me!

Eddie Vedder disse...

Na minha opinião o primeiro imberbe que pronunciou tal expressão,"apaixonar-se pela pessoa errada" devia ir para a cela onde tambem devia lá estar os demais imberbes atiça-fogos-em-forma-de-pregões-que-de-tão absurdos-nos-tornam-a-nós-absurdos-e-a-acreditar-neles!Exemplos:quem é que inventou assim do nada e menosprezando quem não tem absolutameente culpa nenhuma de não ter chegado 1º...a palhaçada de que "não há amor como o 1º"? quem foi o excemplar que proferiu pela!ª vez "o tamanha não importa"?Colocamos tudo ao nosso jeito.Como é difícil dizêmo-lo ipossível;como não tivemos melhor dizemos que o 1º é que é!e como tivemos azar dizemos que o tamanho não interessa!Enfim...tou cansado! tenho um amor difícil!E gosto assim como ele é.

JoanaRSSousa disse...

Dizia há dias a uma amiga: «as relações tornam-se, quase sempre, ralações!»
Mas o certo é que aprendemos sempre qualquer coisa com «as cabeçadas» que vamos dando... Nem que seja para conhecer o que NÃO queremos, para nos aproximar mais daquilo que verdadeiramente queremos!

Alguém me disse: enquanto não encontrares a pessoa certa, diverte-te com as pessoas erradas...

beijinhos da Joana dos Chapéus

Rui Oliveira disse...

O amor e a paixão são dos maiores mistérios da Humanidade, mas apesar de não se saber o que são e como funcionam ao certo estas duas palavras designam os mesmos sentimentos desde á seculos.
O que se passa é que procuramos sempre "aquela pessoas ideal", que não existe. Sofremos com este eterno desencontro e acaba-mos por criar conflitos nas relações que temos porque a outra pessoa não corresponde ás expectativas que temos. Julgo eu da minha experiência!

GAF disse...

humm, por muito que se possa comentar sobre este tema jamais a uma só conclusão se poderá chegar. Há mil e um motivos para tal acontecer, assim como muito raros serão os casos em que se encontra a mulher/homem das nossas vidas, essa pessoa para muitos de nós não existe, existe sim uma pessoa a quem nos moldamos, e é a partir desse momento que o amor começa. Só para finalizar por vezes acontece que enquanto se "anda atrás" de uma paixão ela parece-nos linda linda, mas quando conquistamos essa paixão ela perde toda a sua cor e ai percebemos: "andei tanto tempo atrás dela e agora não gosto dela", pois é só gostamos daquilo que por vezes não temos, por isso temos de aproveitar o amor do dia-a-dia ! SEJAM FELIZES !

ahhh Bom Ano

LAPAROTE disse...

Boa Tarde Mestre Alvim,

Devo iniciar esta minha participação, referindo que sou um rapaz relativamente experiente, no que toca a relações falhadas. De tal forma isto é verdade que em mais de 1 dezena de tentativas, só 1 resultou em casamento.

Para além das inumeras namoradas com que fui brindado pela vida, também fui alvo de diversas tampas. Mas acho que isto faz-nos crescer e perceber que, se ela não quis é porque não me merecia.

Em suma, e em jeito de conselho para os rapazes que nos ouvem, gostaria de deixar este breve pensamento:

"Passei a vida em busca da mulher certa, mas deu-me um gozo enorme andar com as erradas..."

Nota: Eu já encontrei a minha mulher ideal, e apenas ela me faz chorar quando ausente. E hoje, vamos fazer compras para a casa.

Grande Abraço do Laparote!!!

Jorge Bicho disse...

grande Alvim,
eu acho que não nos apaixonamos pelas pessoas erradas, a grande treta é que nunca vêm as especificações todas do catálogo, e por isso, quando começamos a desembrulhar (ao longo da vida, curta ou longa) é que percebemos que não era bem isto ou aquilo. Mas eu acho que as paixões, como dizia um filósofo qualquer que já não me lembro, são impressões. as confirmações são diferentes.
ou seja para acabar, não nos apaixonamos pelas pessoas erradas,
o erro está sempre no que queremos de quem achamos ser a pessoa certa.
abraços
JB

e porque é que nunca consigo falar com vocês?

Rui Cubano disse...

Não lutar pela paixão e ser preciso, apenas, ser a pessoa certa com alguém interessante?... a vida, felizmente, é muito mais complicada.
Por esse caminho passa-se a vida a ser amado, e enquanto a outra pessoa vive e tira gozo da vida enquanto nós ficamos num pedestral, feitos de mármore, azêdos e permanentemente de olho "naquele amor"...
capacidade para estar com alguém objectivamente só por ser amado é coisa escrita por gente do outro género... VIVÓ AMOR MACHO!

Manuel.f. disse...

Alvim, Essa entrada do livro esta fabulosa :)
O problema nao esta nos outros!!! esta na forma de cada um lidar com a sua propria vida...
Nao querer mudar a realidade do proximo nem pressionar para que algo aconteca!
na minha opiniao, quando isso acontece automaticamente a pessoa torna-se na errada!

Nao restrinjo a esta definicao obviamente mas optei por dar esta abordagem ja que todos tem opiniao diferente e nenhuma esta errada :D

Deixo outro pensamento... vivam intensamente (nao se acomodem) e deixem os planos de lado pois se tiver que ser, se-lo-à de qualquer maneira com planos definidos ou nao!

Eu ca neste momento estou na Suica de fèrias e faco questao de ouvir e acompanhar este fabuloso programa...

Rui Cubano disse...

Não nos apaixonamos pelas pessoas erradas, não queremos é a fatalidade de nos apaixonarmos pelas pessoas certas...
Queremos confusão!
O Caos atrai-nos secretamente apesar de nos aterrorizar.

L... disse...

Grande programa Alvin e Companhia, Parabens!!

Apaixonar por pessoas erradas??
A paixão nada tem de errado, os preconceitos e/ou compromissos anteriores (casamento) é que dão a sensação de errado.

Sou casado, contudo, sinto uma enormeee atracção por uma colega de trabalho, isto é errado?

Não, se não passar de atracção, é até saudável…
Agora, se quiser dar o próximo passo, sem romper com o compromisso actual, isto sim é errado.

Infiel ainda não fui, nem pretendo ser.

Caminhar implicar dar um passo de cada vez.

joao veiga disse...

Da minha parte posso afirmar que não há amor como o primeiro, nem como o segundo, nem como o terceiro, nem como.....
A verdade verdadeira é que se a parceira não corresponde ou não é fixe, adeus oh prima vai te embora, essa é que é essa, pois.

Alucinogenius disse...

A única maneira que eu acho que a forma como tu abordas a comida está relacionado com a tua vida sexual é que se tiveres pouco sexo tens tendencia a ter sexo com a comida

Anónimo disse...

qual pessoa errada qual quê!!! nós apaixonamonos sempre pela pessoa certa! essa pessoa é que nao sabe que é a pessoa certa ou pensa que é a pessoa certa para outra pessoa, e estou certo disto! c'um catano DrOvos

Anónimo disse...

... Ora bem deixa ver se entendi bem, caso uma pessoa tenha uma alimentaçao variada quer dizer que possuimos relações sexuais variadas ....

Anónimo disse...

DrOvos
qual pessoa errada qual quê!!! nós apaixonamonos sempre pela pessoa certa! essa pessoa é que nao sabe que é a pessoa certa ou pensa que é a pessoa certa para outra pessoa, e estou certo disto! c'um catano
DrOvOs

The_Godfather disse...

Eu penso que o facto de nos apaixonarmos pela pessoa errada tem muito que ver com o facto de o primeira impressao que temos de uma pessoa tem muito a ver com o seu aspecto fisico dessa pessoa e com as possibilidades que temos de nos relacionarmos com essa pessoa. Mas muitas das vezes essas pessoas nao correspondem as nossas expectativas, mas quando nos apercebemos ja nos apaixonamos por essa pessoa.

Anónimo disse...

Sou o Miguel... apaixonei-me pela Ligia...

A Ligia... estava sozinha, eu encontrava-me com uma pessoa...

Não gosto dessa pessoa... quero sair do circulo onde essa pessoa se encontra... e quero encontrar a Ligia...

Não consigo... será que a Ligia, não é a pessoa certa?

Obrigado!

Oliveira disse...

Boas!!
Esse tema é um pouco despropositado.. Qual paixoneta pela pessoa errada qual quê? eu neste momento estou apaixonado por duas pessoas! e parecem-me ambas as pessoas certas.. elas é que não acham isso muito certo!? vá-se lá entender isto..

Cristina disse...

...mas que nervos que esta gaja me está a dar!!! Tão peremptória nas suas afirmações... mas que raio de psicóloga. Pois bem que pode continuar a escrever livros (digo-o sem pensar sequer em lê-lo, porque pra falar com as pessoas...

pfffff.... este foi o programa mais irritante de todos os tempos graças à tua convidada. NERVOS!!! Ela é a pessoa errada!!!

Gonçalo Ferreira disse...

concordo contigo cristina, acho que as coisas não são tão lineares como a convidada de hoje esta a dar a entender.

Rui Cubano disse...

GRANDE SEXÓLOGO!!!...pimba!

verónica da madeira disse...

Ó Pedro Maia (Catalão) és o máximo!!!
Gostei da tua intervenção.

Manuel.f. disse...

seus malucos...
chego do jantar e tenho logo uma amiga a perguntar me se participei no NOSSO forum :)

entao nao tive direito a ouvir as minhas palavras.. heheeh

grande abraco gèlido

torpedro29 disse...

o amor e lindo...ou nao...biba Antena 3, a prova oral e AROUCA....beijux e comprimentos pa todos...

Anónimo disse...

Eu apaixonei-me pela pessoa errada, a mesma e várias vezes... a sogra do rapaz adorava-me, tanto que ate hoje a senhora adora-me e detesta todas as nemoradas q ele arranjou.. Todas faz-lhe a vida negra..
Podes perguntar aí à senhora convida, se isto era um pronuncio de que, nao ia dar certo....
Sempre ouvi falar do dar mal c a sogra...
Eu neste ,momento odeio a mae do meu actual namorado...
sera q é a pessoa certa:))??!!! beijos

Crazy_Guitar disse...

Pena que não deu para participar...

Em todo o caso, penso que não há "amores errados". Eu diria, de uma forma optimista, que há "amores não-certos".
Ou seja, com um amor ou relação "não-certa", há sempre muito a aprender... e isso por si só invalida a parte do "errado".
Aprender com os erros é crucial!

Sou casado, amo a minha mulher, e já tive vários amores e relações "não-certas", das quais aprendi muito.

Abraços e beijinhos...

Francisco Pinto disse...

gostava de saber porque é que não estão disponiveis em podcast os ultimos programas de 2007, como é o caso do duelo: brás vs. guro do sexo.
abraço

Ana Telles disse...

Não ouvi o programa em directo na Quinta-Feira e portanto só soube do que se passou agora de tão emocionante para tanta gente me dizer "tens de ouvir, tens de ouvir". E foi um programa normal até que... aquele Noiseformind é... sem palavras mesmo! É que ele atravessou toda a (e peço desculpa à outra terapeuta que estava presente) "treta" sobre sexo que eu ouço há anos e anos um pouco pela televisão, revistas e restantes media. Como o desgraçado que até num comentário anónimo num blogue tem de dizer que se não fosse casado, a colega até marchava. Até num meio anónimo tem de mostrar o seu comodismo em relação à situação e ao que sente! Só tenho pena que o Noiseformind tenha rumado à Catalunha antes de o poder conhecer, seria sem dúvida a pessoa certa para meter muitos pontos nuns i's abandonados que muitos portugueses têm na cabeça ;) talvez um dia ele publique um livro e eu possa perceber um pouco a verdade por trás das convenções sociais que nos estrangulam a todos um pouco (e especialmente a nós mulheres).